Páginas

28 de dez de 2014

Ano novo, vida nova?


Por acaso até acho piada às resoluções de ano novo, acho incrível que se possa mudar a maneira de pensar do dia 31 para o dia 1, só mesmo porque muda o ano.
Também acho bastante bom quando daqui a um ano estamos todos a dizer que não fizemos nada do que era suposto e lá vamos nós outra vez fazer novas resoluções.
Atenção, não estou a dizer que não haja gente que efetivamente tenta mudar após a euforia toda de fazer os novos objetivos, mas vamos lá ser sinceros, são mais os que dizem que fazem mas depois não fazem nada do que os que fazem realmente.
É bom ter objetivos, mas tê-los no dia 1 e no dia 31 do mesmo mês já nem se lembrarem, é inútil.

23 de dez de 2014

E beijar os filhos na boca?



Alguém que me explique esta prática de os pais beijarem os filhos na boca. Eu devo ser muito retardada e antiquada, mas não vejo qual é sinceramente o sentido disto. 

14 de dez de 2014

Sobre a base

Eu não sou uma rapariga que se maquilha, não tenho paciência e ponto. 
Mas vamos lá a ver, qual é a piada de algumas pessoas andarem com pele cor de laranja na cara e no pescoço estarem brancas que nem neve? Que tal escolherem um tom mais aproximado da cor natural da pele, espalharem aquilo bem e deixar de parecer tão artificial? Porque acreditem, parecer uma laranja acastanhada não é de todo natural. 

2 de dez de 2014

As miúdas de hoje em dia





Muitas das miúdas de hoje em dia querem crescer tudo em dois dias, ou menos. Ela é lábios pintados de vermelho, eyeliner, sombra, base, mini-saia ou calções com um frio de rachar, camisolas a mostrar a barriga, decotes... 
Pergunto-me onde diabo se meteram os pais destas criaturas.

21 de nov de 2014

Arquétipos da perfeição?



Eu sei que este assunto está mais do que batido, mas não podia de deixar de dar a minha opinião.
Vamos aqui a ver uma coisa, qual é o sentido de criticarmos as pessoas pelo corpo que têm? Qual é a lógica de fazermos comentários mesquinhos sobre o peso a mais de uma pessoa ou o peso a menos? Qual é a finalidade disto? Ficamos a sentir-nos melhores pessoas e superiores àquelas que criticamos? 
O facto de uma pessoa ser magra não faz dela um saco de ossos ou um cabide, o facto de uma pessoa ser gorda não faz dela uma bola. O facto de algumas raparigas não terem um grande par de mamas ou um grande rabo não faz delas homens nem tábuas de passar a ferro. 
Comentários infelizes como "Se eu não tivesse as mamas que tenho não era mulher, que horror, ser como um homem...", minhas queridas e meus caros que pensam assim, só para esclarecer: O que faz de uma mulher um ser do sexo feminino é o facto de ter uma vagina e os restantes orgãos carateristicos do sexo feminino. Ninguém é mais mulher que outra por ter as glândulas mamárias mais desenvolvidas, ninguém é mais homem que outro por ter um pénis maior. E também ninguem deixa de ser um ser humano por ser mais gordo ou mais magro. 
Vamos lá ter juízo e deixar-mo-nos destas maneiras estúpidas de pensar, pode ser?

10 de nov de 2014

Jogos em equipa




Em todas as turmas há sempre uma ou duas pessoas que se metem todas ofendidas (ofendidas mesmo, como se lhes tivesses acabado de insultar a mãe) a reclamar contigo porque não apanhaste a bola ou porque não jogas bem, como se aquilo fosse um jogo de vida ou de morte e elas fossem a imagem da perfeição que jogam sempre bem. 
Eu não sei se é normal, mas só me apetece dar duas chapadas naquelas caras de rainhas/reis das camélias ofendidas, de cada vez que se metem com coisinhas e ficam a reclamar tempos e tempos porque "os outros não sabem jogar". E é por estas e por outras que não gosto de jogos em equipa. Haja paciência.

7 de nov de 2014

O valor do dinheiro


Eu cada vez tenho mais a certeza que as pessoas se esquecem do valor do dinheiro só por ele estar carregado num cartão. 
Acontece que desde o inicio do ano, uma rapariga que costuma andar comigo me pede para ir ao bar para lhe tirar coisas para comer nos intervalos (já que eu vou também algumas vezes, quando não levo comida de casa), alegando que ou não tem ali dinheiro e depois mo dá, ou que tem (tem mesmo) mas que não quer carregar o cartão dela e isto acontece mais vezes de que as desejadas. Acontece que, vistas bem as coisas, eu já lhe tirei seguramente mais de 8 euros em comida e ela se me deu 1.5  foi muito, mero esquecimento? Duvido. Amigos amigos, negócios à parte.
 E eu não tenho a lata de lhe pedir o dinheiro, porque nem sequer tenho a certeza do valor exato, mas não sou mãe dela, dinheiro para cafés e bebidas já tem, agora é passar a dizer que não tenho dinheiro e acabou, e sim, já fiz isto, senão a quantia era maior, não fiz mais vezes porque fiquei com pena de ela não comer, mas quem tem dinheiro para cafés todos os dias bem pode cortar no café e pronto. 

1 de nov de 2014

Vamos lá acordar, vá


Um dia ainda hei-de entender o porquê das pessoas se acharem superiores às outras e como se fosse a coisa mais natural das coisas, dizê-lo, com todas as palavras na cara da pessoa. 
Mais estúpido é quem atura isto dia após dia como se fosse perfeitamente normal. Não é assim que as coisas funcionam, não é assim que vão funcionar. Ninguém me vai meter as patas de cima e eu vou ficar a ver, para variar. Mas andamos todos malucos ou quê? 
Oh dear Luna, you must wake up now.

26 de out de 2014

Sim sim, já controlas




Se há coisa que eu aprecio é que me tentem controlar. E controlar em que sentido? No sentido de tentarem  exercer pressão psicológica sobre mim para me fazerem sentir pena para eu fazer o que essas pessoas querem. Como eu gosto de referir, argumentos ad misericordiam não funcionam comigo, nem sequer tentem, é uma perda de tempo. 
Vamos aqui a estabelecer uma coisa chamada limites, palavra esta que é desconhecida para algumas pessoas. 
Se eu não quiser ir a X sitio em Y dia por W motivo que não me interessa para nada não vou e acabou.
Se eu não quiser atender chamadas desnecessárias e ficar durante horas a aturar a pessoa porque não me apetece aturar melodramatismos, não me importa que me digam que estão a chorar e que eu sou a última salvação, não atendo.
Há que saber deixar de ser uma tábua de salvação para pessoas que ao contrário não querem saber de mim. Não sou psicóloga, não me pagam para aturar problemas que não são meus. 

24 de out de 2014

Não consigo...



Sabe-se que não estás bem mentalmente quando tens teste num dia, nesse dia acordas e vomitas, não consegues comer, ficas as aulas todas antes do teste stressada, dá-te um ataque de choro num intervalo e 2 stores teus vêem,  para não falar nos colegas, no teste erras coisas que já tinhas feito iguais a 100% já para não falar do resto dos exercícios. 
Tanta pressão, é pressão por todos os lados. Cada vez me desiludo mais comigo própria, farto-me de estudar e ter a matéria em dia, faço todos os exercícios que encontro, depois o teste corre uma m*rda por causa de nervos/stress que não consigo controlar. Ainda se fosse apenas em um teste? Mas não, é sempre assim. Se é assim agora, num teste, como vai ser depois? Frequências, exames, licenciatura, mestrado, exames de entrada na profissão? Acho que não aguento esta pressão toda, simplesmente não aguento...

15 de out de 2014

E se...?


Estava aqui a pensar...E se uma pessoa não descobre qual é a sua vocação, se não se interessa por "nada", se nenhum curso lhe chama realmente a atenção, faz o quê?

8 de out de 2014

Nostalgia





Eu nem sempre tive o sonho de seguir Direito, aliás, foi só no meio do 2º período do 11º de Ciências que me apercebi disto. Se tivesse sabido logo no 9º teria ido para Humanidades, não fui, paciência, não ia fazer exames por equivalência arriscando-me a chumbar a disciplinas que não tinha aulas, posso entrar por aqui teoricamente em todas as universidades menos uma, a clássica de Lisboa (que exige o exame de História como obrigatório). Isto só foi uma pequena introdução.
Quando eu era pequena (ou pelo menos até ao 7º ano) eu queria ser cirurgiã, Medicina era um sonho. No 7º ano tive problemas de "bullying" na escola, desci muito as notas e nunca fui mais a mesma aluna de quase tudo 5's daí para diante. Perdi-me e nunca mais encontrei aquela menina aplicada que os professores diziam que ia ser tudo aquilo que quisesse e com o passar do tempo fui deixando o sonho de ser médica para trás, até porque o gosto pela Biologia/FQ foi-se indo embora com os professores que tive, com as notas nunca suficientes, etc.
Um amigo muito próximo (que eu já cá falei no blog) entrou em Medicina, fiquei super feliz por ele, mas de cada vez que ele me fala do curso eu sinto uma nostalgia enorme, um aperto na garganta e as perguntas que me surgem são "Porque é que eu não sou assim tão inteligente? Porque é que eu me perdi? ". Talvez Medicina tenha sido uma aspiração ilusória sim, até porque perdi o gosto por Biologia, por FQ, e uma pessoa assim não tem virtudes para um curso de Medicina mesmo que tivesse nota suficiente (em qualquer lado).
A verdade é que sempre tive mais inclinação para letras e julgo que não é qualquer pessoa que gosta de andar horas a ler Códigos (de Direito) sem ainda estar no curso só pela curiosidade.
 Mas Medicina é aquela nostalgia, aquele sonho perdido sabe-se lá onde.
Atualização (18:07): Conclusão disto, é que eu me sinto "culpada" por não ser vocacionada para uma área que em garota gostaria de entrar, como se fosse uma obrigação eu gostar daquilo hoje e não ter conseguido mas gostar de outra área completamente diferente, como se tivesse falhado. 

4 de out de 2014

O diz que disse




Uma pessoa X conta à pessoa Y aquilo que não gosta na pessoa Z (diz mal sobre algum aspeto dela). A pessoa Y sente-se na "obrigação" de contar à pessoa Z o que a pessoa X disse sobre ela, sabe que a pessoa Z vai ficar triste com isso, mas mesmo assim conta.
Então, dizei-me lá, qual é a satisfação que a pessoa Y tem ao dizer essas coisas pejorativas à pessoa Z sabendo que vai provocar mal-estar? 
São atitudes que eu não aprecio nadinha, nada mesmo.

27 de set de 2014

Um novo desafio para ter jantares (ou não)


Parece que agora os desafios para se pagarem jantares/ ou seja o que for é meterem fotos de quando eram crianças. 
Ok, adiante.

23 de set de 2014

Será que sou só eu que não entendo?


Por mais que tente,  não compreendo aquele tipo de pessoas que fala com uma pessoa durante alguns dias/ 1 semana e já tem sentimentos  por essa pessoa, já faz tudo por ela, já quer mover mundos. 
Não consigo compreender, isso na minha cabeça não encaixa, como é que se pode conhecer uma pessoa em uma semana?
Ou então talvez seja eu que tenha um bocado de pedra no lugar do "coração" e não seja apta para compreender este tipo de acontecimentos.

18 de set de 2014

Coisas que não me interessam



Ainda devo estar para entender porque é que certas pessoas que eu conheço têm a necessidade de me atualizar dos seus estudos TODOS os dias,  "Já estudei aquilo", "Já vi toda a parte de x disciplina." "Já fiz os exercícios todos." sem eu lhes perguntar nada.
 Mas porquê razão estapafúrdia é que eu quero saber disto?! Vão estudar por mim? Não vão? Logo vi.
Vocês conhecem alguém assim?

14 de set de 2014

Questões sobre a praxe


Anteontem vi no youtube o debate
Prós e Contras - Sim ou Não às praxes?, também vi o documentário "Praxis" que foi falado no debate (onde, aproveito para dizer que foi muito ressaltado o lado negativo das praxes, mas isto é como em tudo na vida, há coisas boas e coisas más, praxes divertidas e outras abusadoras, depende das pessoas que praxam suponho), o que mais se falou no debate é na coação que muitas vezes se fazem aos caloiros para entrarem nas praxes, algumas praxes pouco dignificantes da pessoa (como por exemplo coisas com cariz sexual que eu não achei a mínima piada, como por exemplo ao minuto 22:50 do primeiro link), o que eu aconselho é que vejam o debate, tem quase 2 horas mas para mim valeu a pena.

As perguntas que eu vos faço é: se algum caloiro vos disser a vós, praxistas, que não quer ser praxado, o que é que acontece? Não precisam de relatar em concreto na primeira pessoa, mas podem (e até agradeço) que partilhem coisas que viram fazer. Pessoas que entraram este ano para a universidade (e não só), vocês querem ser praxados?A mim ainda me falta 1 ano, mas eu gosto de estar informada.
Podem comentar em anónimo se assim o preferirem.

8 de set de 2014

3 coisas a falar neste post



 Voltei da praia, acho que é a única vez em que se nota que fiquei morena e até me assusto de cada vez que olho para a minha cara meia acastanhada, ela que costumava ser da cor da farinha.
 Estou no mínimo apavorada com a subida das médias este ano, se sobem assim para o ano posso dizer adeus ao curso.
 Parabéns à juventude que conseguiu entrar este ano na universidade! Se não foi na primeira opção não desanimem, ainda têm a segunda fase e quem sabe se não irão gostar do curso em que entraram, afinal, pressupõe-se que para o terem metido nas hipóteses gostavam minimamente dele, certo?

31 de ago de 2014

Querem sinceridade ou pseudo-sinceridade?


(Isto é o cocktail da sinceridade, só o tomas se quiseres)

As pessoas pedem sinceridade sobre os problemas delas, mas o engraçado é quando se dá a opinião, a pessoa em questão vem dizer que preferia que tivesse mentido e ter dito que ia ficar tudo bem, em vez de dizer o que penso. Antes de pedirem sinceridade naquilo que é dito, pensem primeiro se a querem ouvir, antes que se firam sensibilidades.

P.S: Vou estar fora esta semana, vou para a praia e não vou ter acesso ao blog, pelo que só devo voltar por volta do dia 8 ou 9.

23 de ago de 2014

Ice Bucket Challenge e Banhos públicos



Isto já anda um bocadinho a passar dos limites, pelo menos na minha perspetiva.
 Meus caros, uma coisa é o ALSIceBucketChallenge‬ , que sim senhor, serve para dar a conhecer a doença e  fazer doações, pelo menos os famosos dizem que as fazem (e atenção, não são só as pessoas famosas que doam), e pronto, lá despejam um balde de água com gelo ou o que seja em cima, mas doam (ou pelo menos parte deles doa dinheiro para a causa) e alguns não despejam nada e doam na mesma.
Outra coisa, muito mais bonita e promissora, são os banhos públicos que muita gente faz só para não pagar jantares ou o que quer que seja aos amigos, e para isso despejam água em cima, nomeiam umas 3 pessoas e está a andar, bora lá para o Facebook mostrar que tomaram banho. 
Despejar água em cima para não pagar jantares? Andamos todos malucos ou quê?
Ganhem juízo se faz favor.

18 de ago de 2014

Observar, é a palavra de ordem.


Não sou uma pessoa faladora, no geral. Sou uma daquelas pessoas que gosta de observar (e isto implica ouvir) pessoas a conversarem, que gosta de observar a maneira como as pessoas falam, de todas as hipocrisias que se apanham num olhar, numa mudança de tom de voz, num sorriso falso. 
Se o assunto me interessar formo a minha opinião em silêncio e é como se houvessem duas vozinhas dentro do meu cérebro a debater uma com a outra e a chegarem a uma conclusão, ás vezes não chegam e damos o assunto por suspenso. Tudo isto em silêncio. 
Não gosto de conversas por obrigação. Sei perfeitamente bem quando uma pessoa está verdadeiramente interessada em mim para conversar e quando está apenas a cumprir o papel para não ficar mal na fotografia.
Eu não faço esse papel, prefiro ficar calada a observar e muitas vezes esta minha atitude é confundida com anti-socialidade. 
Bom ou mau, não sei, mas sou assim.

12 de ago de 2014

Pessoas demasiado curiosas


Outra coisa que odeio que me façam (que por sinal foi a mesma pessoa que desencadeou este post e o anterior) é que eu esteja no telemóvel ou no computador e comecem a meter-se ao meu lado e com o descaramento de inclinarem a cabeça toda para verem o que estou a fazer, com quem estou a falar e a dizer/ ler o quê. Ou então perguntas como " Com quem estás a falar? Estão a falar sobre o quê? Que estás a ver?". E mais uma vez, ficam ofendidas se eu digo "Não tens nada a ver com isso." (se for uma coisa pessoal), e argumentam logo com " Não tens confiança em mim é?", pronto, muito eu gosto deste tipo de situações. Quem não gosta, não é...

8 de ago de 2014

A partilha de comida


As minhas bactérias são criaturas solitárias, dão-se bem umas com as outras, mas não gostam que outras bactérias de outras bocas venham misturar-se sem ninguém as convidar, pronto, não são muito amigáveis.
Eu não sou picuinhas, ou sou, não sei, mas acontece que quando eu estou a comer alguma coisa, por exemplo, imaginem que eu estou a comer algo diferente de outras pessoas com quem estou e alguém se lembra de dizer "Deixa-me provar." e eu digo "Então vais buscar um garfo/ faca/ colher limpo e depois eu já te deixo provar uma parte em que eu ainda não tenha tocado.", depois de eu dizer isto, instala-se o escândalo, a ofensa, a surpresa, como se eu tivesse dito algo grave e a pergunta típica de "Tens nojo de mim é?". 
O pior é que ás vezes as pessoas nem perguntam se podem, simplesmente metem o garfo pelo meu prato e mexem naquilo como se fosse deles. 
Enfim.

5 de ago de 2014

O esperado da segunda fase...


Tal como esperado a nota da segunda fase de Biologia foi uma porcaria, foi negativa, enfim, a minha sorte é que garanti logo a nota interna que tinha levado na primeira fase. Fiquei um pouco triste, não por não estar á espera, porque estava, mas porque falhei, embora todos digam que foi um exame muito mais puxado, praticamente todos da minha escola que fizeram exame desceram, mas eu sou assim...
E a vocês? Os resultados da segunda fase corresponderam ás expetativas?

30 de jul de 2014

É por esta e por outras que dizem que sou estranha #2



Nunca senti assim grande "atração" por bebés. Não tenho aquela vontade de andar com eles ao colo, de lhes fazer caretas, de lhes falar naquela voz típica que se costuma fazer (vocês entendem), de brincar e essas coisas, resumindo não tenho vontade de andar á volta deles, não tenho jeito para crianças. Há pessoas que parecem que foram feitas para cuidar de crianças, mas eu simplesmente não tenho inclinação para isso, nem todos nasceram para serem mães/ pais, é simples (talvez isso mude, mas por agora não). 
Não é que eu tenha algo contra os bebés, não tenho, obviamente que não!
A minha prima mais velha teve há pouco tempo uma menina e como eu já referi em cima, não tenho personalidade para estar ali a fazer coisas daquelas, hoje quiseram que pegasse na miúda ao colo e eu recusei-me, começou tudo a gritar comigo, disseram coisas como "Tens nojo da menina, é? És mesmo "isto e aquilo". Achas-te importante, deve ser. Não podes pegar nela?", para além de não saber pegar e ter medo que a bebé caísse, eu ia estar ali imóvel a segurar nela e mais nada, não me ia sentir bem sequer. Eu sei que maior parte de vocês não vai entender o meu ponto de vista, mas paciência. 

27 de jul de 2014

É por esta e por outras que dizem que sou estranha #1


Não gosto de sair á noite, não tenho nenhuma atração por isso. A resposta á pergunta de "mas tu já experimentaste?" é "Sim já e não gostei", mas " ah e tal, isso depende com quem vais e onde", pois, mas para além de eu não consumir álcool, de eu não gostar da merda de música que os bares/discotecas passam, de dançar, do ambiente e de não gostar de demasiada socialização desnecessária , gosto de ter o meu espaço/ momento, e estando todo o dia ocupada, gosto de ter a noite para me dedicar ao que me apetece. E dizem-me "Isso é estranho, principalmente nas nossas idades. Vais muito mal preparada para a universidade, vais chegar lá, vais querer viver tudo de uma vez." Prometo que para a minha próxima vida vou virar uma pita de 15 anos a vomitar á porta de um bar toda bêbada para ficar preparadinha para a universidade, meus caros... Como eu adoro prognósticos!

24 de jul de 2014

O que a racionalidade te tira


Penso demais. Eu sei que sim. Claro que a demasia em racionalidade me tira muitas coisas que o coração tem para oferecer, para além de bombear o sangue. Quando duas pessoas assim se apaixonam, elas pensam, elas deixam os sentimentos de lado, elas medem os prós e os contras da possível relação. Se doi optar por se ficar na amizade? Claro que doi, para ambos os lados. Já chorei como se tivesse em mim toda a água do mundo. Mas já voltei ao meu estado racional. É o melhor, para ambos. Nós somos demasiado iguais, pensamos sempre demasiado, perdemos a oportunidade, no presente era quase impossivel isto resultar.  Ele vai-se embora este ano, eu daqui a um ano vou embora, não nos queremos prender por uma causa que não sabemos se tinha bases para durar. Passou o nosso tempo.

21 de jul de 2014

Desenvolvam o sentido crítico!


Sigo diversos jornais no Facebook, de vários tipos, não apenas para saber as notícias mas também para dar a minha opinião sobre o que me interessa, digamos assim. Acho que nós, jovens, nos devemos informar sobre o que vai acontecendo no mundo e formar opiniões sobre os diversos assuntos, acho que é uma forma de melhorarmos a nossa argumentação/ contra argumentação (sim, porque vai haver sempre quem lá inicie uma discussão contigo) e sentido crítico. Vai haver gente que apoia o que dizes e outra que não concorda, faz parte, não se deixem ir abaixo por qualquer censura (mesmo que forte e bem argumentada). Deixo aqui este texto como forma de incentivo ao desenvolvimento do sentido crítico, que é uma coisa que cada vez vejo menos nos jovens.

18 de jul de 2014

Obrigada Ministério! Obrigada Saramago!


Distrai-me Saramago, não quero pensar que fui gastar 10 Euros numa segunda fase de Biologia e Geologia mais difícil, mais puxada, com mais rasteiras na qual  nem a 9.5 vou chegar. Eu bem que podia ter ficado quietinha como muitos fizeram, ter ficado contente por ter mantido o 13 (nota interna) e pronto. E a pergunta é "Mas tu precisas disto como prova de ingresso?" e a resposta é "Olha, não sei, mas para as opções que tenho acho que entrava com a nota da primeira.". A segunda fase foi um descargo de consciência, foi o que foi.
Mudando de assunto, o livro é ótimo, vi primeiro o filme e gostei bastante. Saramago exige uma concentração imensa, a maneira de ele escrever é peculiar.
 Por exemplo:  "Empurrou
a mulher quase com violência, ele próprio recuou, Afasta-te, não te chegues a
mim, posso contagiar-te, e logo a seguir, batendo na cabeça com os punhos
fechados, Estúpido, estúpido, médico idiota, como é que não pensei, uma noite
inteira juntos, devia ter ficado no escritório, com a porta fechada, e mesmo
assim".

14 de jul de 2014

Inspira-te ou não #6

Summer #1

Já me tinha esquecido desta rúbrica...
O que acham? Usavam?



10 de jul de 2014

Possessão


Nunca gostei de pessoas possessivas e teve de ser eu arranjar agora uma, então.
 Ela é "não respondes no facebook porquê? Ainda estás a estudar? Faz uma pausa para falares comigo. Não podes mesmo vir ter comigo em X dia? Atende o telemóvel, estou mesmo mal (é certo e sabido que é pelo menos uma hora e meia ali a falar de rapazes), fala comigo por favor, o que é que eu faço em relação ao Y e ao Z?". Imaginem isto o dia todo, chamadas ás 2 ou 3 da manhã, etc.
 Pois, aqui a Luna tem paciência para toda a gente e eles abusam. 
Eu devia deixar de ser boazinha, devia.

7 de jul de 2014

Socialões do Facebook


Alguém me explica o porquê de existirem os chamados "socialões, sociais" ( o que quiserem chamar) que têm mais likes nas fotos (e em tudo o que fazem) que o Vaticano de visitantes? O que é que esta gente fez? Compraram roupas de marca e fingiram ser modelos, andaram com muitos/as numa noite, o que foi mesmo?  

3 de jul de 2014

Pessoas deste mundo


Nunca vou entender aquelas pessoas que se gostam de meter na vida dos outros.
Não sei que satisfação é que uma pessoa tem ao intrometer-se na vida dos outros, dando opiniões não solicitadas, fazendo comentários despropositados e que ninguém quer saber. 

25 de jun de 2014

Não bebes? És um bebé



Eu tenho 17 anos, para o ano faço 18. 
O que as pessoas todas dizem? "  Luna, já podes beber, toma lá um bocado de champanhe/ cerveja/ qualquer coisa alcoolizada". E eu : " Não, não vou beber, não gosto de álcool, enoja-me." E as pessoas insistem e lá me deitam no copo o álcool dizendo " Anda lá, já tens quase 18 anos, não te faz mal nenhum, olha a X que tem 15 também já provou", e eu olho para o copo, olho para a pessoa e digo " Não vou beber, já disse". Claro que depois vêm uma enchente de bocas a dizer que eu sou uma criança ou sou uma enjoadinha. 
E olha eu muito importada por não beber álcool, já nem durmo á noite a pensar nisso. Se não gosto não vou beber só para parecer "crescida" ou para dizer que bebi. Olha agora, pressões destas, hão-de ir longe comigo.

21 de jun de 2014

O que as pessoas que não têm exames de ensino secundário não percebem


A porra dos exames de secundário não tem NADA a ver com os do básico, não me venham com merdas  de que não é preciso estar muito tempo á volta dos livros a estudar matéria integral de 2 anos ( e eu ainda só estou no 11º, para o meu 12º já são 3 anos);
" Não é por perderes um dia ou dois de estudo que não vais conseguir ver a matéria toda", não, então, quando há uma semana de intervalo ( isto na primeira fase) entre exames, dá para ver tudo com calma, muita calma.
" Não sei porque queres ir á segunda fase, vais passar as férias todas enfiada no quarto é?", o meu objetivo é tirar notas decentes ( diga-se no máximo baixar 1 valor na interna de cada uma) não é só passar o ano.
" A X não passa tanto tempo á volta disso como tu e tem boas notas, não sei o que andas a fazer", epa...pois, mas ela anda no ensino básico, acho que até é mais dificil que o secundário.
" Tu finges que estudas, só queres é ir para a internet", olha agora, claro que finjo.
" Se tiraste má nota no exame é porque não te esforças", pois claro que é, então, havia de ser porquê? Porque simplesmente correu mal?

Estes comentários irritam-me tanto que nem imaginam.


18 de jun de 2014

" Que faculdade frequentaste Luna"?


Pergunta o Facebook. Por este andar nenhuma.
Porque a Luna é tão despassarada que pode ter 5 valores do exame de filosofia  anulado. Sim, porque quem é que é o esperto que fica a escrever a parte de desenvolvimento durante 2 horas e 15 minutos como se não houvesse amanhã, se apercebe que tem ainda 10 escolhas multiplas, 1 silogismo e falta encontrar uma falácia a faltarem 15 minutos? E quem é a estúpida que não sabe se meteu a indicação do grupo no ÚNICO  grupo com escolhas múltiplas que lá estava? A Luna, claro está. E quem não sabe se lhe vão contar isso? A Luna. Quem é que vai para camionista? A Luna.

12 de jun de 2014

Coisas que eu já não entendo


Mas o que é afinal ter umas boas pernas? É ter pernas magras, é ter pernas definidas, é o quê na vossa opinião?

8 de jun de 2014

Nada de stress aqui


Uma semana para estudar para Filosofia. 2 livros.
Duas semanas para Biologia e Geologia A 4 livros.
E nem imagino a situação das pessoas que este ano vão fazer 4 exames.
Stress? Nada disso.

30 de mai de 2014

Agora eu que decida, não é?


X: "Não me queiras conhecer bem (só lhe pedi para ele me explicar algo que estávamos a falar),  houve uma única pessoa que me conheceu bem (ex-namorada) e olha o que aconteceu...( ela traíu-o mas ele fechava os olhos a isso, ele gostava mesmo dela, até o meu stor de Filosofia dizia que o amor dele era doentio e eu sinceramente não sei se ele ainda gosta dela ), vamos aproveitar e continuar assim, não vamos estragar as coisas, até porque eu curto bué de ti garota."
Isto foi há coisa de 1 semana e pouco. Desde aí, não tenho falado com ele ( até porque eu estar sempre a inventar assuntos não dá) e quando estou com ele na escola é sempre em grupo, ele ás vezes mete-se comigo, outras vezes passa e nem fala. Garotos.

27 de mai de 2014

Misofonia

Este vai ser um post estranho para maior parte das pessoas. 
Antes de mais Misofonia é uma coisa como hipersensibilidade a sons específicos do quotidiano que podem provocar reações extremas irritabilidade, raiva e até pânico, reações que não se controlam. Pronto, aquela sensação de desconforto quando o giz se arrasta no quadro toda a gente tem. 
No meu caso é ouvir as pessoas a comer de boca aberta/sorver, eu sei que ninguém gosta de ouvir propriamente, mas enquanto a uns simplesmente incomoda, a outras criaturas (tipo eu) dá uma vontade vinda de não sei onde de cravar as unhas na pele e arranhar, começar a tremer ligeiramente, deitar as mãos ao cabelo e começo a ter de respirar profundamente (não é tudo ao mesmo tempo) e por exemplo ter de sobrepor um outro som, por exemplo, ligar a tv/rádio e distrair-me. 
Isto acontece-me onde? Só em casa e em casa dos meus avós, porque pronto eles fazem questão de se "sentirem á vontade" fazendo isso. 
De momento não me acontece com mais nenhum som e ainda bem, é horrível.
Algum de vocês tem algo idêntico a isto?

23 de mai de 2014

Isto é pura lógica, sem dúvida



Expliquem-me lá como é que uma pessoa que tem notas medíocres a Fisica Quimica A no secundário ( e diga-se negativas no final dos períodos/ anos letivos/ exame) quer tirar um curso de Física ou de Quimica na universidade? 

21 de mai de 2014

Quem fala do que desconhece...



A:Tantas conversas que tivemos em que disseste que para ti a racionalidade deveria estar á frente dos sentimentos na maior parte dos casos e agora isto, nem comento.
Eu: Primeiro: eu não gosto dele, segundo: somos só amigos, terceiro: eu não tenho culpa se puder vir a gostar dele, sei como ele é e quero evitar gostar dele para não me lixar eu, quarto: eu sei bem o tipo de rapaz que ele é, não preciso que uma pessoa que nem sequer o conhece de lado nenhum fale assim dele, é meu amigo, não teu, e se falas mal dos meus amigos estás a comprar guerras comigo.
A: Tu não entendes que eu só quero proteger-te, desculpa lá se quero que não te magoes. Mas vá, joga lá o jogo dele, bom proveito, vê lá se sabes as regras.
Eu: Ninguém disse que eu o queria jogar.
A: Nas ações se vêm as pessoas. És uma ingenua, és igual a todas as outras, só gostas de bad boys. Não vou falar mais disto, eu não tenho nada a ver contigo, faz o que te apetecer.
Eu: Nem eu.

E a discussão foi sobre o que? Foi por causa de um amigo meu se ter "aproximado" um pouco mais de mim estes últimos tempos, e eu andar a ficar um bocadinho confusa sobre o que fazer quanto a ele, mais nada.
No meio de tantas porcarias, só me faltava mais isto.



20 de mai de 2014

Sem paciencia



Ás vezes simplesmente não tenho paciência para falar com maior parte das pessoas. Não tenho paciência para servir de psicóloga, de me preocupar com os problemas dos outros. Não tenho paciência para levar com pessoas sem humildade, que só se preocupam com eles mesmos e quando quero dizer alguma coisa minha fazem uma cara de "epa, cala-te já com isso" e dizem " tu fazes dramas por tudo" e nem levam nada a sério. Porra, horas a ouvir toda a gente, um minuto sem me ouvirem a mim? Fuck off.
Já nem quero saber, já desisti de conversar sobre mim há muito tempo, há um número restrito de pessoas pelas quais eu me interesso,o resto é circunstancial.

18 de mai de 2014

Será que este nervosismo se justifica...


Sei que sinto falta de uma pessoa  quando vou ao perfil dela dia sim dia não para ter a certeza que não lhe aconteceu nada de mal. Sim, porque deixar de falar de um momento para o outro, não ver mensagens no facebook, não responder ás sms ( o telemóvel dele tem alguns problemas, ás vezes nem recebe), é caso para eu ficar toda nervosa.

16 de mai de 2014

Falsa modéstia


Tenho uma colega que antes dos testes está sempre a dizer "ai eu não estudei nada, estive o dia todo no pc ontem,estou lixada", quando recebe o teste tem boa nota. Todos os testes é isso, enervam-me estas falsas modéstias, não há cá a história de ela não estudar, não pega. Uma pessoa que ás vezes falta a 3 tempos de uma disciplina para estudar para outra não há cá as histórias que não estuda.

14 de mai de 2014

Continua assim,vais longe tu


Será que parece mal eu chamar uma gaja de porca quando ela para ter um cigarro de graça faz um escandâlo porque não quer comprar um maço e quando ninguem lhe oferece um cigarro,puxa a camisola toda ate se ver o soutien, mete o cabelo para trás para se ver melhor o par e vai fazer voz melosa para um gajo , mesmo tendo namorado? E consegue o cigarro.
Pronto,só Deus as pode julgar, fuck society, right?

9 de mai de 2014

Só mais uma coisa que me enerva




Uma pessoa faz um trabalho de grupo praticamente todo nas férias com 15 dias de antecedência para entregar,porque sabe que se vai esperar por pessoas que nem querem saber da disciplina se lixa.Essa pessoa pede aos restantes 3 elementos que adicionem coisas e que formatem o trabalho em Word (diga-se,os titulos) e que introduzam uma introdução e uma conclusão.O que é que eles fazem?A ponta de um corno,NADA.O trabalho é para entregar segunda e ainda estou eu a acrescentar informação.

4 de mai de 2014

Exterior e interior


Não me venham com a conversa do "o interior é o que conta,o exterior não",toda a gente que pense um bocadinho sabe perfeitamente que isso não é verdade. As pessoas não olham para ti e pensam " Hmm,aquela ali tem cara de ser boa pessoa,vou já falar com ela no Facebook",não,as pessoas pensam " Aquela ali é mesmo boa,vou falar com ela no Facebook". E também não me venham dizer que uma pessoa bonita não tem o caminho meio andado,porque tem.Isto claro,a uma primeira vista.  Agora se me disserem " O exterior atrai,o interior conquista" estou de acordo. Isto se a pessoa em questão achar que tens um bom exterior,se não for o caso,o interior vai ter de conquistar duplamente.E talvez isso seja melhor que um exterior que conquiste quase tudo.

30 de abr de 2014

Stress para cima


Já estou stressada. Não consigo estudar para exames com todos os testes em um único mês,não consigo.
São trabalhos para entregar,são testes,são fichas,são treinos até horas tardias.
Vocês já começaram?

26 de abr de 2014

Creme depilatório Veet


Eu sou uma criatura que sofre com isto dos pêlos,pelo que tenho de andar sempre "em cima deles" e a tratar-lhes da saúde...Estou desejosa de fazer tratamento a laser,há raparigas que não têm quase nada,mas eu,credo,sai demónio...
Há poucos dias comprei o creme ali em cima,estava curiosa,devo dizer que os resultados foram bastante satisfatórios,mas claro que em termos de tempo vai durar em semelhança ás laminas (por acaso está a durar um pouco mais),mas é pouquissimo tempo comparado á cera quente/fria (que é o que eu uso normalmente).
Custou por volta de 3 euros e meio e o tempo que tem de atuar é cerca de 3/6 minutos.
Talvez faça um post sobre o descolorante Veet,lá para a frente.
E vocês,já experimentaram cremes depilatórios?