Páginas

27 de fev de 2015

A educação mudou, foi?


Tenho vindo a observar um fenómeno muito interessante na minha escola que se chama falta de educação dos zigotos (aka garotos do 3º ciclo).
 Vamos recuar um pouco no tempo e relembrar: eu quando era da idade deles, quando tinha 12/13 anos, quando via uma pessoa do 12º ano, eles eram como referências para mim "Epa, aquele ali é do 12º..." e passava a 20 metros de distância dele e rezava para passar despercebida para que eles não se metessem comigo (não que o fizessem, mas é só para vocês verem o respeito que aquilo era) e era mesmo raro uma pessoa da minha idade lhes tentar sequer dirigir a palavra, tal era o respeitinho que ali havia. 
Hoje os miúdos, passam por nós, gente do 12º, falam para nós como se nos conhecessem , dizem asneirada a torto e a direito, vão-se meter connosco, incomodam, mandam-nos para certos sítios e acham-se os réis. É tal  e qual como um colega meu disse "Se fosse no nosso tempo, eram logo duas chapadas se fizéssemos metade do que eles fazem que até andávamos de lado.". 
Mas ainda há miúdos bem educados, acho eu. Ao menos isso.

20 de fev de 2015

Sobre a liberdade dos outros no meu material escolar


Sabes aquele tipo de pessoa que pensa que é a proprietária legal das tuas coisas? Sim, aquela pessoa que te pede a borracha/caneta/lápis/livro emprestados e tos devolve como se tivessem andado na 1ª Guerra Mundial do Material Escolar? Coisas roídas, partidas, riscadas com palavras (ou desenhos) que nada têm a ver com a matéria contida no livro. E quando cais no atrevimento de fazer uma pergunta semelhante a  "Mas passaste-te ou quê? As coisas são tuas para fazeres esse tipo de *palavra feia* coisas?" a pessoa responde-te na maior da alegria e simplicidade "Oh, deixa lá, é só uma borracha/caneta/lápis/livro, não sejas assim, está mais giro assim!". Quase que tens vontade de pedir desculpa de joelhos e implorar pelo perdão de teres sequer questionado o porquê dessa pessoa te ter profanado as coisas. 
E sim, eu sou daquelas pessoas que não gosta de ter as coisas estragadas à custa dos outros e que se passa um bocadinho com estas coisas.

13 de fev de 2015

It's all about Valentine's Day, Valentine's Day, no trouble



Então, minha juventude, como estão? Estão bem? Espero que sim! Eu também, embora tenha estado em princípios de evaporação e a minha inspiração para o blog tenha andado a tender para 0, aqui estou eu para falar do Dia da Decapitado (ide ver a história, ide)...Peço desculpa, lapso meu. Queria dizer Dia dos Namorados. E do decapitado vá, não quero que ninguém se sinta excluído. Se forem como eu e forem comemorar o Dia do Decapitado sozinhos (sem emparelhamentos) não se sintam mal, pelo menos não foram a pessoa que deu origem a este dia, certo? Há sempre um lado positivo em tudo. Principalmente para as lojas e restaurantes, que andam sempre com promoções manhosas nesta altura. Na minha modesta opinião, acho que as farmácias também podiam fazer um desconto naqueles comprimidos para impedir o vómito, para os invejosos como eu, que não podem ver um casal a partilhar a sua saliva alegremente, que abanam a cabeça para o lado e reclamam em voz baixa com uma pontada de tristeza. Acho que todos ficávamos a ganhar, os namorados, os solteiros e quem quer aproveitar esta festividade para aumentar as vendas.
Vá pessoas, tenham em atenção que isto foi um post irónico, nada de ferir susceptibilidades a esta hora.